Mais de 9 mil crianças não são registadas em Cabo Verde, 13,5% não tem nome do pai e 55% vivem sem a presença do progenitor

24 de junho de 2022

A+ A-

Dados sobre a Proteção Social das Crianças em Cabo Verde, segundo o último Censo diz que 43% de crianças dos 6 aos 59 meses são anémicas em Cabo Verde. A situação persiste apesar das autoridades terem tomado a decisão de distribuir desde sempre acido fólico nas escolas.

Os números sobre proteção social das crianças em Cabo Verde falam e não deixam de causar preocupação nesta época de insegurança alimentar. 43% de crianças dos 6 aos 59 meses são anêmicas em Cabo Verde. A situação persiste apesar de as autoridades terem tomado a decisão de distribuir desde sempre acido fólico nas escolas.

Porem os números não deixam de causar algumas preocupações quando se conclui que cerca de 4 em cada dez crianças são anêmicas. O ultimo inquérito demográfico da saúde sexual e reprodutiva, elaborado pelo INE, estima-se que 10% das crianças nascem com menos de 2 quilos e meio. 6% sofrem de atraso no crescimento, 25 são magros e sofrem de insuficiência ponderal ou seja seja apresenta, sinais de doença física ou mental importante e com maior risco de mortalidade.

A contrariar este cenário está a alta taxa de vacinação. 91% das crianças entre os 12 e 35 meses receberam todas as vacinas previstas no plano nacional de vacinação. Entretanto, apenas 42% das crianças de menos de seis meses recebem aleitamento materno exclusivo.

Em Cabo Verde existem 26% de crianças menores dos 0 aos 14 anos, representam 26% da população. A taxa de mortalidade infantil tem diminuído, mas há outros dados que ressaltam à vista, 4% de crianças de 6-11 anos abandonam precocemente a escola. Esta taxa é ainda maior nas crianças entre 12/ 17 anos, representando 14% e 2% de crianças com idade entre os 6 e 14 anos estão fora a escola. 

Dados de 2020 revelam ainda que 46% das crianças menores de 15 anos vivem em agregados familiares pobres e que 21% vive em extrema pobreza, filhos de famílias monoparentais. Mais 9 mil crianças não são registas em cabo verde, 13, 5% não tem nome do pai e 55 vivem sem a presença do pai.